Pages

25 de dezembro de 2010

O Espírito do Natal

por Paulo Roberto Gaefke

Deixa eu ver se o Espírito do Natal já está na sua casa.

Não, não quero ver a árvore iluminada na sala,
nem quero saber quanto você
já gastou em presentes.

Quero sim, sentir no ambiente a mensagem viva
Do aniversariante desse Dezembro mágico.

Toda a família está unida?

O perdão já eliminou aquelas desavenças
que ocorrem no calor das nossas vidas?

Não quero ver a sua despensa cheia,
quero saber se você conseguiu doar
alguma coisa do que lhe sobra,
para quem tem tão pouco, às vezes, nada.

Não exiba os presentes que você já comprou,
mesmo com sacrifício,
quero ver aí dentro de você a preocupação
com aqueles que esperam tão pouco,
uma visita, um telefonema, uma carta,
um e-mail...

Quero ver o Espírito do Natal entre Pais
que descobrem tempo para os filhos,
em amigos que se reencontram
e podem parar para conversar,
no respeito do celular desligado no teatro,
na gentileza de quem oferece o banco para o mais idoso,
na paciência com os doentes,
na mão que apóia o deficiente visual
na travessia das ruas,
no ombro amigo que se oferece
para quem anda meio triste, perdido.

Quero ver o Espírito de Natal invadindo as ruas,
respeitando os animais,
a natureza que implora por cuidados tão simples,
como não jogar o papel no chão, nem o lixo nos rios.

Não quero ver o Natal nas vitrines enfeitadas,
no convite ao consumo,
mas no enfeite que a bondade faz
no rosto das pessoas generosas.

Por fim, mostre-me que o Espírito do Natal
entrou definitivamente na sua vida,
através do abraço fraterno, da oração sentida,
do prazer de andar sem drogas e sem bebidas,
do riso franco,
do desejo sincero de ser feliz e de tão feliz,
não resistir ao desejo de fazer outras pessoas,
também felizes.


Deixe o Natal invadir a sua alma,
entre os perfumes da cozinha
que vai se encher de comidas deliciosas,
no cheiro da roupa nova que todos vão exibir,
abrace-se à sua família
e façam alguns minutos de silêncio,
que será como uma oração do coração,
que vai subir aos céus,
e retornar com um presente eterno, duradouro:
o suave perfume de Jesus,
perfume de paz, amor,
harmonia e a eterna esperança de que um dia,
todos os dias serão como os dias de Natal.

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,

mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanhe ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário no Mundo Bicho Grilo!
Acione o botão "Notifique-me" para você receber a mensagem com a minha resposta!